O ateísmo religioso mostra sua cara

Já havia discorrido sobre o assunto em muitas outras ocasiões. Ou seja, sobre a nova modalidade ateísta, cujas características remetem  - paradoxalmente - ao legado religioso e sectário ao longos das épocas. Fazendo uso das mesmas estratégias e com a  mesma intolerância de muitos grupos religiosos de outrora, a nova vertente ateísta, aos poucos, vai revelando  sua verdadeira face.
Agora, para coroar suas reais aspirações, fundou em Londres, na terra de Richard Dawkins, uma congregação, espécie de ordem religiosa às avessas, com o pomposo nome de “The Sunday Assembly”, já apelidada de “Igreja Sem Deus”. 
Aos domingos reúnem-se para cantar, para testemunhar suas descrenças e para pregar suas crenças na ciência, tudo aos moldes da religião, inclusive com direito à “sacolinha”, na qual generosas ofertas são depositadas com o intuito de expandir a outros horizontes a nova doutrina do “não-deus”.
A crítica obviamente não recai sobre os direitos dessas pessoas em exercerem com total liberdade suas descrenças e rebeldias contra o sistema religioso tradicional. A questão, na minha concepção, e aí reside a incongruência, está no fato de usarem das mesmas armas da religião para combatê-la, dentre as quais a intolerância e o ódio. No fundo é uma religião tomando o lugar de outra.


É isso!

---
Origem das imagens:
www.smh.com.au 
www.standard.co.uk 
http://www1.folha.uol.com.br/

2 comentários:

  1. Eu sempre argumentei com os ateus que o ateísmo era só mais uma religião.
    Sem deus, mas uma religião, como o budismo que também não tem deus.

    ResponderExcluir
  2. isso só comprova minha acertiva sobre o ateísmo - cstolicismo - protestantismo e todos os "ismo " que nos vem a mente

    ResponderExcluir