Os "Ateulibans"

Por: Iba Mendes

Taliban é uma palavra árabe que designa um movimento islâmico de características fundamentalistas e nacionalistas, especialmente no Afeganistão. Dentre as ações de que se incumbe a organização, destaca-se o modo de proceder dos chamados homens-bombas, os quais, em nome de sua fé e ideais, explodem os próprios corpos, levando consigo o maior número possível de “infiéis”.

O modo radical de agir dos talibans é frequentemente atribuído à religião, como se atos terroristas fossem uma peculiaridade de crentes e religiosos. Um exemplo que destoa desta rotulagem preconceituosa, diz respeito ao movimento separatista ETA, o qual é de tendência marxista-leninista e que, também, faz uso do terrorismo como arma em defesa de seus objetivos ideológicos. 

Metaforicamente, portanto, o termo “taliban” pode ser utilizado para exemplificar o modus operandi de qualquer grupo considerado extremista, que apregoa a intolerância e o ódio na sociedade. Um exemplo recente refere-se ao movimento neo-ateísta, que se expandiu pelo mundo, principalmente, após o advento da Internet e das redes sociais.

É o principal expoente desse grupo fundamentalista o zoólogo inglês Richard Dawkins, autor do livro “Deus, um Delírio”, com o qual busca provar que a crença em Deus é, na realidade, uma grande ilusão. Seu ódio contra a religião é de tal monta que chegou ao ponto de elaborar uma teoria específica para tentar explicar a propagação universal da fé, teoria essa denominada “memes”. Segundo Dawkins a fé é como o vírus da varíola, porém, mais difícil de ser erradicado. Embora diga que não ataca uma religião em especial, na prática o seu fundamentalismo é destilado mais intensamente em relação ao cristianismo e ao islamismo, o que pode ser explicado pela maior influência dessas religiões nas sociedades de um modo em geral. 

Especialmente a partir de Dawkins, surgiram em todo o mundo vários grupos de tendências extremistas, todos incumbidos ao combate dos “males da fé”. Dentre as muitas estratégias desses grupos fundamentalistas para difundir o ódio contra a religião, destacam-se as manifestações públicas, as cruzadas, os conclaves, as  passeatas, os atos blasfematórios, os programas televisivos, os espaços em jornais, a publicação de livros e, preponderantemente, a utilização da Internet, com mais ênfase para as chamadas “redes sociais”. Outra estratégia de que fazem uso para buscar apoio é a utilização do “politicamente correto”, quando se dizem vítimas de preconceitos dos religiosos, a que que denominam de "ateofobia". 

Uma característica importante dessa nova modalidade de ateísmo recai no fato de grande parte dos seus propagadores serem de idade jovem. É o tipo de ateísmo que se pode denominar “folhetinesco”, sem profundidade filosófica e baseado, sobretudo, no conteúdo da Internet, em blogs e sites dedicados ao assunto. Ao contrário do “ateísmo clássico”, que se pauta em aspectos existências e filosóficos da vida, essa nova vertente ateísta existe apenas e tão somente para combater os “males da religião”, daí ser comum por parte de seus defensores o uso dos mais variados termos torpes contra aqueles que professam algum tipo de crença. São os chamados “rebeldes sem causas”, os quais julgam que, blasfemando contra os deuses, rasgando bíblias e cuspindo nas portas dos templos, estão revolucionando o mundo. Eis aí os novos “ateulibans”... 


É isso!

---
Imagem:
http://marymagdalen.blogspot.com.br/

9 comentários:

  1. Iba e sua persistente teimosia de dar contornos ridículos aquilo que não se coaduna com sua crença religiosa... E depois são os ateus que são "libans"......

    ResponderExcluir
  2. Caro Wesley,
    Tenho bons colegas ateus. Tenho uma excelente relação com descrentes. Tenho grande admiração por muitos escritores ateus. Todavia, porei-me sempre contrário a ideologias que esparramam o ódio entre as pessoas e a exploração da dignidade humana, inclusive religiosos, como é possível observar aqui:
    http://bafoedesabafo.blogspot.com.br/2010/07/os-fast-food-da-fe.html

    É isso!

    ResponderExcluir
  3. Se ser "talibã" significa condenar um ponto-de-vista diferente sem antes entendê-lo, então você também está sendo "talibã" com os ateus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Justamente por entendê-los é que emiti o meu ponto de vista. Deixei claro que, "METAFORICAMENTE", o termo pode ser usado para designar qualquer grupo que se embrenhe pelo radicalismo. Essa nova modalidade ateísta já deu mostras suficientes de sua intolerança pela crença alheia. Ou seja: enveredou-se às avessas pelos mesmos passos do fundamentalismo religioso, que não aceita o ponto de vista que destoa de seus dogmas. Portanto, não se trata de "aceitar" o ponto de vista diferente, mas, rejeitar o ponto de vista que estigmatiza e que espalha o ódio entre as pessoas. Religiosos e ateus podem viver pacificamente como irmãos: é tudo uma questão de respeito.

      É isso!

      Excluir
  4. Você e seus neologismos retrógrados e preconceituosos, são um acinte enrustidos de hipocrisia e safadeza...

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/04/100423_grabretanhaateufn.shtml

      Excluir
  5. E se por "respeito" você entende educar crianças segundo os ditames da crença cristã e suas idiossincrasias, lamento... Eduque você a seus filhos assim...

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Por respeito, entendo demonstrar tolerância pela crença ou descrença alheia. Voce pode discordar da religião em todos os seus aspectos, mas isso não lhe o direito de xingar ou esculachar publicamente alguém por exercer sua fé; assim o também o crente: pode discordar do ateísmo em todos os seus pontos de vista, o que não lhe dá igualmente o direito de agir aos modos dos talibans, com agressividade.
      Isso é respeito.

      É isso!

      Excluir
  6. Iba, você tem razão.
    O neo-ateísmo atual, destoa do ateísmo filosófico e inquiridor de outras épocas.
    A maiorias do neo ateus nasceram depois da queda da ursss e nem sabem que era uma sociedade forjada no ateísmo de estado.

    ResponderExcluir